Nas Constituições de Anderson, datadas de 1723, faz-se referência a “Deus, Grande Arquiteto do Universo” (p. 1), e ao “Deus do Céu, o onipotente Arquiteto do Universo” (p. 18). Mas Anderson também fala de Cristo como “Grande Arquiteto da Igreja” (pp. 24-24). No artigo primeiro das Constituições de Anderson, afirma-se “que o maçom está obrigado, por seu compromisso, a obedecer à lei moral, e se entender bem a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um irreligioso libertino”. Sem mencionar Deus, exige-se a crença em Deus, pois os ateus são excluídos de maneira direta e explícita.

Leia mais

A finitude como mistério que nos une! Oh Morte, como és maldita! Recente soubemos da morte da Confrade Dulce Isfran. Nosso contato estava se desenvolvendono âmbito das atividades da Irmandade Progressista, um movimento maçônicodevoto da liberdade, da democracia, da diversidade, do uso sustentável dopensamento racional –  escassseado em épocas de extremismo neoliberal. Pessoalmente apreciavao trabalho de divulgação feito por Dulce Isfran e outras mulheres que em muitotem nos ensinado sobre Maçonaria. As palavras andam…

Leia mais

O trabalho de orientar pessoas sobre o tema maçonaria é árduo. E a concorrência com discursos mágicos, e gastos em propaganda pelos sistemas de pesquisa do Google, Meta, etc, nos deixa desanimado em prestar este serviço de utilidade pública, que no geral tem sido gratuito e por aderência a ideais democráticos.

Leia mais

As publicações entre 2022 – 2024 estão situadas conceitualmente a partir das minhas pesquisas de doutorado em Ciências das Religiões na Faculdade Unida de Vitória, bem como de subvenção da bolsa de doutorado da Fundação de Amparo a Pesquisa do Espírito Santo – FAPES, agentes para os quais sempre exteriorizo meus mais sinceros agradecimentos.

Leia mais

A Filosofia de Vida, enquanto repertório temático presente na Área 44 da Capes, Teologia e Ciencia(as) da(s) Religião(ões), mostra-se como fenômeno na fronteira entre o que seja o filosófico, enquanto atividade epistemológica, e o teológico, na medida em que os desafios de não só produzir uma atividade de conhecimento, mas de viver existencial baseado nestas construções geram implicações que também são comuns ao que é comumente registrado nas vivencias religiosas.

Leia mais

No final do século XVIII, entre os maçons lioneses, chegam Cadernos contendo um novo ensinamento esotérico. O autor, que deseja ocultar sua identidade, se autodenomina o “Agente Desconhecido” e afirma escrever sob a inspiração do espírito da Virgem Maria. A recepção dessas escrituras reflete a inquietação da época e a busca pelo conhecimento em um período em que a ciência está se desenvolvendo.

Leia mais

10/898
error: Conteúdo autoral!