O primeiro e mais gritante tópico ao se falar de Israel e Palestina tem sido a falta de palavras para tratar do tema. Porém, esta falta não é só sobre este tema, mas é uma escassez no geral. Ainda estudante de graduação, filosofia, lembro de ter contato com a obra O Retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde, e uma aparente brincadeira em que se dizia que um Rei, de um reino fictício, retirava uma palavra por dia dos falantes de seu reino, para fins de domina-los.

Leia mais

Esta crônica objetiva levantar algumas perguntas sobre o tema Maçonaria e sua relação com a Igreja Católica Apostólica Romana – ICAR. Sem pretensão sistemática das outras modalidades da prosa acadêmica, a ideia é um exercício meditativo hipotético, aberto a retornos dos leitores, sobre um caso de relação entre instituições que compõe o horizonte sociocultural brasileiro. Como exercício a ideia não é terminar com vereditos, mas com perguntas e sem certezas e valores apurados. Em termos escolar, a liberdade inerente à atividade reflexiva, com de resto as pesquisas nas Humanidades, implica uma suspensão metódica dos valores, como fizera René Descartes (1596 – 1650) no seu Discurso do Método, para poder fazer algumas perguntas. Nossa hipótese é de que a Maçonaria se vê maior do que ela é, sendo o exercício de comparação com a ICAR uma metodologia possível para estabelecer os primeiros indícios desta suspeita.

Leia mais

Dizer aspectos de algo é procurar apresentar partes que o compõe. O exercício é sempre dizer por outras vias um algo que está dado. Assim, descrever um objeto material é dizer sua composição, seu uso, onde podemos encontrá-lo. No caso de dizermos “coisas” da esfera imaterial o desafio sob alguns degraus. Dizer sobre o que seja a maçonaria eleva ainda mais este esforço, pois como fenômeno social humano ela além de estar numa esfera imaterial, também está fora da compreensão habitual das pessoas.

Leia mais

Foi no século XVIII, pelo menos em sua forma moderna, que a maçonaria tomou um desenvolvimento sério no Ocidente. Já em 1738, foi condenada pelo Papa Clemente XII, condenação renovada em 1751 pelo Papa Bento XIV, e desde então, frequentemente, pelos sucessores desses pontífices. Na mesma época, a seita fez sua aparição no Oriente, onde a ortodoxia, em acordo com a Igreja Romana, também não lhe deu uma recepção muito calorosa.
Somos informados sobre isso por dois documentos contemporâneos. O primeiro é um curioso trecho do Βίβλος βασιλειών [Bíblos Basileíon = Livro dos Reis]
de Constantin Dapontès.

Leia mais

Cídio Lopes de Almeida

Muitas vezes foi dito que o Timeu era um poema, ou até mesmo um romance[1]. Gostaríamos de desenvolver aqui algumas reflexões sobre o gênero literário desta obra de Platão. Após analisarmos brevemente o conteúdo e definirmos o Timeu como uma espécie de “Gênese”, tentaremos esclarecer o significado do modo de exposição que Platão utiliza no diálogo e ao qual ele dá o nome de “eikos logos”, ou seja, “discurso de verossimilhança”. Em seguida, vamos nos concentrar em mostrar a razão por trás dessa escolha: o domínio da physis é um domínio divino que escapa a qualquer conhecimento preciso por parte do ser humano. Somente a poiesis (criação artística) da linguagem humana pode tentar imitar a poiesis divina. Nesse sentido, perceberemos que a ficção literária é concebida por Platão como uma espécie de oferenda religiosa, que é ao mesmo tempo um jogo que responde ao jogo divino. Finalmente, encerraremos com breves alusões à história do tema literário que o Timeu impôs a todo o Ocidente, o do poema cósmico.

Leia mais

O objetivo deste ensaio é elaborar algumas ideias críticas sobre o tema da iniciação aos estudos maçônicos. O problema em questão é a sensação geral nos círculos maçônicos de que algo não vai bem nos processos que formam o maçom. Nossa hipótese sobre o problema é que não há uma abordagem profissional da educação maçônica, e na sua vertente espontânea, manifesta-se como liturgia/ritualística, sem o devido processo crítico, próprio do fazer nas Humanidades.

Leia mais

20/900
error: Conteúdo autoral!