Livraria Kora


Editor

Produção artesanal é o qualificativo mais apropriado para o projeto da Livraria e Editora Kora. 
Como qualquer mercado, o livreiro, palavra estranha ao próprio livro, está sob a lógica da cultura vigente, isto é, de consumo de massa. Outro efeito perverso na grande “muvuca” da famigerada quantidade é a diminuição da diversidade de títulos especializados. O que empobrece consideravelmente o debate especializado e propicia visões distorcidas sobre qualquer tema em geral e, especificamente, em Filosofia. 
A Livraria e Editora Kora tem como projeto editorial levar ao público obras de Filosofia. Nossa estratégia é chegar direto ao leitor através da “internet”. Se esquivando, conscientemente, da tradicional livraria com seus lugares especiais, comprados a preço de outro pelas grandes editoras. 
Enquanto livraria o projeto se esforça por ofertar livros usados a preços acessíveis e, sobretudo, cobrir a diversidade de títulos necessária para uma formação intelectual. Diversidade escasseada visivelmente na lógica das livrarias “playground” e que se torna impossível acaso tomassemos o caminho de trabalhar apenas com livros “novos”. 
Prof. Cídio Lopes de Almeida 
Editor
[email protected]
11-970941895

“A ideia de educação trágica ou educação da vontade que se caracteriza pelo cuidado de si e pela transformação é o fio condutor deste livro.
O leitor encontrará no presente trabalho o exercício de Cídio Lopes de Almeida em demonstrar, em três obras de Nietzsche, como o autor pensa a Educação e a Estética.

Enquanto referencial teórico, a estética e a educação trágica permitem pensar uma educação que concebe o humano como construtor de sua condição através da criação – atividade essencialmente artística. “

Compre Já! Clique aqui.

Fições Jurídicas em Hans Vaihinger

Para o público leitor do nosso Blog e que tem como profissão o Direito ou o magistério em Filosofia eis uma dica de leitura. Excelente obra na medida em que cumpre dois objetivos estratégicos: demonstra ao profissional de Filosofia as implicações práticas do saberes teóricos desse campo do saber, as vezes isolada no magistério e, como segundo objetivo, demonstra ao profissional do Direito o quanto pode ser produtivo o arcabouço filosófico para seu labor na seara jurídica.

A Filosofia do Como Se em Português.
O tema das ficções e suas implicações nos mais variados campos do saber recebeu na volumosa obra Filosofia do Como Se de Hans Vaihinger tratamento exaustivo. Consistiu em um longo trabalho do autor que fez várias revisões e mesmo reelaborações em algumas partes da obra.
Recentemente foi publicado em língua portuguesa a tradução dessa volumosa obra. O trabalho é de Johannes Kretschmer realizado no âmbito do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e que o qualificou como Doutor em Letras. O título completo da obra é “A Filosofia do como se: sistema de ficções teóricas, práticas e religiosas da humanidade na base de um positivismo idealista”. ISBN:  978-85-7897-036-9
A contribuição de Johanes nos parece inestimável para a pesquisa nacional sobre os temas das ficções. As edições francesa e inglesa, sendo essa prefaciada pelo próprio Vaihinger, acabam por restringir seu acesso quando ao pesquisador que já se encontra no mestrado ou doutorado. Porém, é na graduação onde as paixões e motivações intelectuais se assentam, mas fase da formação em que se utiliza o universo de obras em língua portuguesa. A falta de um edição da Filosofia do Como Se em nossa língua nessa etapa da formação acadêmica em que é habitual ler no vernáculo tem alijado essa importante temática das pesquisas nacionais.
Adentrando ao conteúdo da obra, a qual tomamos conhecimento na tradução francesa de Christophe Bouriau (Université Nancy2) e depois na tradução de Jones em formato de tese fotocopiada, podemos verificar outro fato peculiar e que comprova o anonimato dessa obra entre nós. Vaihinger toma como ponto de partida de suas ficções dois filósofos amplamente conhecido no Brasil e mesmo assim sua teoria das ficções passa ao largo dessas produções. A ideia schopenahaureana de vontade será para  Vaihinger a própria ficção, algo que excede a linguagem mas que acaba por atuar nela. Em Nietzsche ele considerou o perspectivismo como fundamental à sua teoria das ficções.
Outro fato comprovado do anonimato é que o fundador da Revista Kant Studien e da Kant Gesellschaft, também é raramente citado entre os kantianos em português. Consta entre as obras de Vaihinger uma volumosa Commentar zu Kants Kritik der reinen Vernunft (philosophy) 1881-1892. Certamente o objetivo de divulgar e congregar pesquisadores em torno da obra de Kant foram alcançados.
A publicação da Filosofia do Como Se abre uma excelente oportunidade de debate sobre as ficções em nossa língua. As implicações entre filosofia e Direito, para citar apenas um dentre vários outros campos do saber que Vaihinger verifica  a presença das ficções, serão frutíferas.
Plageando Riobaldo, personagem de Guimarães Rosa, “podemos dizer que temos poucas certezas, mas desconfiamos de muito coisa”. Motivados por esse espirito investigativo o Instituto Kora publicará o trabalho de Francisco de Assis e Silva, Ficções Jurídicas em Hans Vaihinger, que trabalhou com a versão em inglês da obra e só posteriormente encontrou o trabalho de Jones na forma de fotocopia. As ficções jurídicas e suas implicações na interface filosofia e ciências sociais tem-se revelado possibilidade teórica de pensar a filosofia e a práxis social.
Prof. Me. Cídio L. De Almeida

Sala de recepção do Instituto Kora – Palestra com o Médico Psiquiatra José Fonseca